Memória SSD – O que é? Quais as vantagens de desvantagens?

Tempo de leitura: 5 minutos

Também conhecida como Unidade em Estado Sólido, a memória SSD, ou Solid State Drive, é uma tecnologia muito recente e que vem conquistando a cada dia mais usuários. Para muitos entusiastas e especialistas, acredita-se que a tecnologia surgiu para substituir o HD de vez e que isso será inevitável nos próximos anos.

Mais leve, veloz e eficiente, a memória SSD possui ainda outras vantagens. Além disso, possui algumas desvantagens também. Então confira mais a seguir antes de adquirir seus próximos equipamentos!

O que é uma memória SSD?

A memória SSD é uma hardware de armazenamento de dados usados em computadores mais recentes. É uma tecnologia muito diferente do HD, ou seja, disco rígido. Isso porque não possui discos ou agulhas no processo de gravação mecânica de dados. É uma tecnologia eletrônica e bem complexa.

Por isso, como é eletrônica, a memória SSD oferece mais velocidade e dinamismo no processamento de dados, podendo ocorrer em frações de segundo. Permite abrir programas e executá-los de forma mais ágil e segura, sem grandes riscos.

Qual a diferença entre HD e SSD?

São tecnologias muito distintas. Enquanto o HD utiliza cabeças de leitura e gravação para fazer operações em discos magnéticos, de modo mecânico, a memória SSD é mais rápida, pois processa dados eletronicamente, como vermos adiante.

O SSD vem se popularizando muito sobre o HD, pois com seu avanço, o preço diminuiu bastante. Ou seja, é possível otimizar o seu notebook ou PC também com esta tecnologia, que antes era pouco acessível.

Como funciona a memória SSD?

Basicamente, a memória SSD, funciona a partir de dois elementos, que são o controlado r e a memória flash. É esta que guarda os arquivos e não possuem partes móveis, como ocorre no caso do HD. Para se ter uma ideia, todo o processo ocorre eletronicamente, de forma mais rápida e silenciosa.

Já o controlador é o componente que organiza e gerencia a troca de dados entre o computador e a memória flash. Ele possui um processador, responsável por várias funções no drive. A performance do SSD se deve a este componente.

Vantagens e desvantagens da memória SSD

Um fator que traz à memória SSD muitas vantagens é a ausência de partes móveis. Diferentemente do que ocorre no HD, não há agulhas, discos, motores e outras partes mecânicas usadas para processar dados. Logo, a memória SSD conta com uma velocidade e performance muito mais alta.

Além disso, as taxas de transferências são maiores, os tempos de acesso são menores e o componente como um todo é mais resistente, não tão frágil como o HD.

Para se ter uma ideia, considerando um computador convencional, enquanto um HD comum demora 10 ou 15 milissegundos para acessar um arquivo, um SSD realiza esta demanda em 0,1 ou 0,2 ms.

No entanto, nem tudo são flores. Há duas desvantagens em relação à memória SSD são o preço – muito mais alto por ser uma tecnologia nova – e a capacidade de armazenamento, em muitos caso dez vezes menor que o HD. Mas isso vem mudando ao longo do tempo.

Vida útil – Vale a pena?

Podemos citar ainda outra desvantagem: a memória flash, também utilizada em pendrives e cartões de memória, faz com que a memória SSD tenha vida útil limitada pela quantidade de ciclos de escrita. Isso é, a regravação de dados que ocorrem em seus blocos não é infinita.  E isso vem diminuindo ainda mais devido a diminuição do componente.

Calcula-se que o SSD tenha apenas alguns anos de uso antes de ficar obsoleto – cerca de 8 a 10 anos nos modelos mais modernos. Isso porque o controlador distribui igualitariamente através dos blocos a quantidade de regravações de dados.

Perda de desempenho

Outro problema é que, ao ter a memória flash limitada, conforme os longos anos de uso, a memória SSD perde performance. Diferentemente do que ocorre no HD, os dados não são gravados sobre outros dados, mas sim há uma restauração em estado original da página (linhas de rede do SSD) para poder gravar um dado novo. E com o tempo, há uma quantidade limitada de restauração, fazendo com que perca desempenho.

Além disso, o processo de restauração não ocorre apenas por página, mas é preciso restaurar todo o bloco, o que desgasta ainda mais a vida útil do componente.

Obviamente, o controlador distribui a gravação de dados em páginas vazias e mantém parte da sua capacidade fora de uso. Com o chamado comando TRIM, há uma limpeza de blocos e arquivos são deletados, permitindo usar sem grandes problemas. Mesmo assim, há uma limitação em sua vida útil.

Vale a pena comprar um SSD?

Vale a pena, sim, é pesquisar antes de comprar. Deve-se considerar ainda a função que terá em sua rotina, as especificidades de sua máquina – ou se outra, caso deseje comprar – e o preço. No caso de um novo modelo, é indicado ter uma tecnologia mais recente, como a memória SSD. Ainda mais se você espera mais velocidade e desempenho no dia a dia.

No caso dos notebooks, o SSD é bastante vantajoso, pois o espaço para módulos é menor e nem sempre é possível instalar um HD ou SSD ao mesmo tempo, o que seria também estratégico. Assim, o SSD oferece mais potência na hora de executar tarefas como leitura e escrita de dados, abrir programa, carregar jogos e vídeos, otimizando o uso também da memória RAM.

Muitos usuários que optam pela memória SSD não retornam para a tecnologia HD, pois não querem mais abrir mão da velocidade e desempenho que o SSD oferece. Realmente, é a primeira coisa que o novo usuário percebe ao instalar em seu notebook.

Veja também: Tirar a bateria do notebook e usar na tomada é bom? Mitos e verdades

Gostou das dicas? Agora você já sabe mais sobre memória SSD. Aqui no Blog bringIT você encontra novas informações sobre notebook, periféricos e tendências do universo da informática. Deixe um comentário e compartilhe estas dicas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *